Maduro prevê vitória decisiva em eleições na Venezuela no fim de semana

Maduro prevê vitória decisiva em eleições na Venezuela no fim de semana

Nesta quarta-feira (16), centenas de venezuelanos marcharam em direção à Organização dos Estados Americanos em Caracas para protestar contra o que consideram "eleições viciadas".

No próximo dia 20 de maio realizam-se eleições presidenciais na Venezuela, nas quais Nicolás Maduro procura a reeleição.

Os críticos do Presidente venezuelano dizem que ele tem a vitória garantida porque dois dos seus opositores mais populares estão impedidos de ir a votos e porque a comissão nacional de eleições é pró-governo. Além disso, pela terceira vez desde 2017, a oposição pretende boicotar as urnas, sob a justificativa de que as eleições seriam manipuladas.

Além de Maduro, disputam a eleição para presidente da República o ex-governador do estado de Lara e ex-chavista, Henri Falcón, o pastor evangélico Javier Bertucci, o empresário Luis Alejandro Ratti e o engenheiro Reinaldo Quijada.

"Aqueles que promovem a abstenção não estão oferecendo nenhuma alternativa, querem uma intervenção militar estrangeira, mas somos nós, os venezuelanos, que temos que resolver nossos problemas" disse em entrevista à Reuters. No entanto, Maduro se beneficia do maquinário eleitoral do Partido Socialista, do poder de voto de doações estaduais de alimentos e de um conselho eleitoral controlado pelos legalistas.

No entanto, diversas nações, incluindo os Estados Unidos, rejeitaram as eleições gerais, apontando que o pleito é fraudulento e que tem como finalidade garantir um segundo mandato de seis anos a Maduro, apesar da economia em colapso.

O governo do presidente dos EUA, Donald Trump, vem ameaçando adotar mais sanções e exortou a América Latina a impedir o acesso de autoridades venezuelanas aos sistemas financeiros e a restringir seus vistos de viagem.