Temer diz que tirou o Brasil 'do vermelho'

Temer diz que tirou o Brasil 'do vermelho'

"Outros ministros, porém, receberam o convite onde se "(.) para participar do evento Maio de 2016/Maio de 2018 - O Brasil voltou", sem qualquer menção ao lema "20 anos em 2", que lembra o mote do programa do ex-presidente Juscelino Kubitschek - 50 anos em 5, com metas de um projeto desenvolvimentista. Alcunhado de "Maio/2016 - Maio/2018: O Brasil voltou", o governo Temer enalteceu suas ações sobretudo na economia, apresentando indicadores que demonstram que o país melhorou neste aspecto.

- Nestes 24 meses de trabalho, nós avançamos, mas eu gostaria de fazer, diante dos meus colegas de trabalho, uma reflexão. Eu confesso, diante de todos, que me sinto responsável pelas atitudes e escolhas que fiz, sempre pensando em um Brasil maior - apontou. Em sua fala, ele destacou as ações realizadas em seu governo. Ele acredita que a sua gestão foi a responsável direta por tirar o Brasil [VIDEO] do "vermelho" - uma expressão usada no dia a dia para relatar situações de profunda crise financeira.

Além disso, Temer repetiu o que já dissera em seu pronunciamento do Dia do Trabalhador e pediu que os desempregados do Brasil não percam a esperança e "não aceitem outro Brasil".

- Nós somos responsáveis e orgulhosos por, repito, tirar o país da maior recessão da sua história. Segundo o presidente, o atual governo "salvou" a Petrobras. No entanto, ignora a última pesquisa de emprego do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrando que no primeiro trimestre deste ano a população ocupada caiu 1,7% em relação ao trimestre anterior, para 90,5 milhões de pessoas.

"Foram dois anos de muita luta, mas também de muitas vitórias", afirmou, em cerimônia de celebração de dois anos de seu governo, que chamou de reunião de trabalho.

O Palácio do Planalto ainda não divulgou a agenda oficial.

Dos aspectos negativos, Temer optou por não sublinhar comentários.

Ao falar sobre o evento, o presidente, que assumiu o poder no dia 12 de maio de 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff, frisou que não se tratava de uma comemoração, "mas de uma prestação de contas". Temer quer prestigiar Meirelles e dividir com ele o que considera "louros" de seus dois anos de administração.