Dois mil militares da GNR vigiam Rali de Portugal

Dois mil militares da GNR vigiam Rali de Portugal

A prova de automobilismo arranca na quinta-feira em Guimarães e passa por concelhos nortenhos como Viana do Castelo, Guimarães, Matosinhos, Porto, Caminha, Ponte de Lima, Fafe, Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto, Mondim de Basto, Amarante, Paredes e Lousada.

A segurança será uma das prioridades da organização, que espera mais de um milhão de espectadores nos quatro dias.

"O número elevado de aficionados e as características da prova obrigam-nos a ter um cuidado complementar relativamente à segurança". "As pessoas devem chegar aos locais cinco horas antes do início das classificativas".

Vincando o facto de grande parte da prova decorrer em troços florestais, o responsável da GNR apelou também à "consciência ambiental dos adeptos", alertando-o para "não fazerem lixo nem deitarem cigarros para o chão". "Em cada sítio haverá zonas de espetáculo e outras proibidas que devem ser respeitadas", disse o tenente-coronel Paulo Gomes.

O diretor do Rali de Portugal, Pedro Almeida, explicou que a tecnologia tem evoluído no "sentido de dar cada vez mais proteção aos pilotos no interior dos carros", em competições em que a "sua condução está muito próxima dos limites da física", pelo que, entre os adeptos, "ninguém pode garantir que está 100% seguro".

Os números sobressaem pela dimensão, justificativa do empenho colocado pelo Automóvel Club de Portugal e pela Guarda Nacional Republicana na segurança do 52.º Rali de Portugal.