Facebook afirma coletar dados de quem não tem perfil

Facebook afirma coletar dados de quem não tem perfil

Criar testes de personalidade em forma de app no Facebook não é errado por si só - o problema é quando nem a rede social e nem os usuários são informados a respeito do destino dos dados coletados pelos testes.

Lançada em 2010, a ferramenta identifica automaticamente pessoas em fotografias postadas na rede social. Eles alegam que ao armazenar essas informações, a rede social está violando a Lei de Privacidade de Informações Biométricas de Illinois, que protege dados dos cidadãos e exige consentimento para guardar esse tipo de informação.

"Eu sei, num sentido geral, de diversas pesquisas que foram feitas pela CA ou suas parceiras, normalmente com logins do Facebook - por exemplo, o quiz da 'bússula sexual'", afirmou Brittany aos parlamentares do Reino Unido durante uma audiência nesta semana, segundo informações do The Verge.

O juiz James Donato considerou que as queixas apresentadas pelos residentes de Illinois Nimesh Patel, Adam Pezen e Carlo Licata eram "suficientemente coerentes para procurar a sua resolução de maneira coletiva".

Uma porta-voz do Facebook disse que a empresa acredita que o caso não tem mérito.

Apesar da possibilidade de desativá-lo, o recurso é polêmico.

David Baser, diretor de gestão de produtos do Facebook, confirmou que a empresa consegue obter dados de quem não tem um perfil na rede social. As informações teriam sido usadas para beneficiar a campanha eleitoral do presidente Donald Trump em 2016.

Após os dois dias de CEO do CEO Mark Zuckerberg no Congresso, o Facebook está esclarecendo aos usuários (alguns congressistas confusos entre eles) como exatamente eles coletam dados de pessoas quando eles não estão conectados ao Facebook.

A rede social enfrenta diversos processos coletivos de usuários e acionistas nos Estados Unidos por causa do vazamento de dados, bem como uma investigação da Comissão Federal de Comércio que pode render multas milionárias.