PF combate desvio de recursos públicos no Paraná

PF combate desvio de recursos públicos no Paraná

A Polícia Federal cumpre na manhã desta terça-feira 20 mandados de prisão temporária determinados contra investigados em fraudes em licitações e contratos na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). De acordo com a Polícia Federal, os desvios chegam a R$ 5,7 milhões. Até as 7h45, 19 pessoas tinham sido presas.

Os suspeitos foram conduzidos à Delegacia de Polícia Federal em Londrina e vão responder pelos crimes de associação criminosa, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa e crimes contra o processo licitatório.

Os 26 mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas empresas investigadas, em um escritório de contabilidade responsável pela declaração do imposto de renda dessas empresas, na casa de laranjas, nos imóveis de empresários e na UTFPR, no Câmpus de Cornélio Procópio.

Os investigadores descobriram "irregularidades graves em contratos celebrados entre a UTFPR-CP e empresas que prestaram serviços de manutenção predial, manutenção de ar-condicionado, manutenção de veículos, fornecimento de materiais de construção e serviços de reprografia", diz nota da PF.

A Polícia Federal indica que pode ter ocorrido obtenção de informação privilegiada, formação de grupo econômico, uso de documento potencialmente falso ou insuficiente como atestado de capacidade técnica, além de pagamentos superiores aos valores contratados, superfaturamento, sobrepreço, frustração de concorrência e suspeita de pagamento de materiais não recebidos ou desviados.

Nome da ação A operação foi denominada 14 Bis em alusão à empresa criada para facilitar os desvios. Confira o texto na íntegra.

Entre os presos estão o ex-diretor geral, Devanil Antônio Francisco, e de administração e planejamento da instituição, Sandro Rogério de Almeida, além dos empresários envolvidos na denúncia. Participaram da operação o MPF (Ministério Público Federal), a CGU (Controladoria Geral da União) e a Receita Federal. A acusação é de fraudes em licitações e contratos no âmbito do Câmpus.

A Reitoria da UTFPR esclarece que, tão logo recebeu as denúncias de irregularidades no Câmpus, no segundo semestre de 2015, deu início às apurações por meio da Auditoria Interna da Instituição e afastou os servidores envolvidos nas acusações.

O diretor-geral da UTFPR em Cornélio Procópio Márcio Jacometti detalha que a comissão que investigou a fraude, ainda advertiu outros servidores por erro administrativo.

Cabe destacar, portanto, que a UTFPR tomou todas as providências de sua competência para que o patrimônio e a moralidade da administração pública fossem preservados.

"Diretoria de Gestão da Comunicação".