Livro traz confissão de Lula: 'Estou pronto para ser preso'

Na entrevista que consta do livro alegadamente não ficcional que lançará nesta sexta-feira, "A Verdade Vencerá", Lula diz estar "pronto para ser preso", relata O Globo. "Há duas instâncias superiores que a gente pode recorrer (STF e STJ) e vamos recorrer".

Segundo Lula, a única coisa para a qual ele não está preparado é para uma possível "resistência armada". "Como sou um democrata, nem aprender a atirar eu aprendi".

Questionado se estaria cogitando a possibilidade de ir parar atrás das grades, o ex-presidente confirma. Então, isso está fora. "O PT não nasceu para ser um partido revolucionário, nasceu para ser um partido democrático e levar a democracia até as últimas consequências", pontua. No livro, ele diz a Juca Kfouri que não fugirá e que está pronto para ser preso. Textos e entrevistas sobre sua vida feitas pelos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, pela editora Ivana Jinkings, e pelo professor de Relações Internacionais Gilberto Maringoni, entre outros escritores integram as 216 páginas.

Naquele período, ele chegou a entregar o seu passaporte para as autoridades, mas teve o direito de tê-lo de volta semanas depois por uma decisão do TRF-1, de Brasília. A palavra 'fugir' não existe no meu dicionário. "Vou estar na minha casa, chegando em casa entre 20h e 21h, indo dormir às 22h, acordando às 5h para fazer ginástica". "Estamos num momento histórico importante para mim", continuou o petista, que sempre negou as acusações imputadas contra ele na Lava Jato.

Lula garantiu que tem a "consciência tranquila" e destacou saber o motivo pelo qual está sendo julgado. Uma vez que analisados e, se negados, poderão permitir que o juiz federal Sérgio Moro decrete a prisão do petista. Logo após a condenação em segunda instância, chamou a atenção na agenda do ex-presidente uma viagem marcada para a Etiópia para a participação em um evento de combate à fome, organizado pela Organização das Nações Unidas - ONU.