Inquérito contra Temer no STF é "perda de dinheiro público", diz Marun

O ministro participava do 1º Congresso Nacional de Municípios, que aconteceu na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). "Esse decreto dos Portos não beneficia a Rodrimar, esse inquérito é perda de dinheiro público, essa é a realidade", criticou. O pontapé inicial do caso foi a interceptação, pela Polícia Federal, de ligações telefônicas realizada pelo ex-assessor do presidente Rodrigo Rocha Loures - que estava grampeado por conta das investigações sobre o caso da mala com R$ 500 mil da JBS.

"Não vamos ser a Geni da eleição", afirmou Marun ao defender que o governo tenha candidato a presidente da República.

O sigilo bancário do presidente foi quebrado e ele está sendo investigado por lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva. "Será que os que batem bumbo por isso têm coragem de fazer o mesmo?", questionou.

Sobre a conversa de Temer com Cármen Lúcio no final de semana, Marun disse: "Não vejo nada de excepcional que presidentes de Poderes dialoguem no âmbito do necessário respeito e harmonia que deve existir entre os poderes".