Pabllo Vittar desfila como destaque pela Beija-Flor: 'Estou amando'

Pabllo Vittar desfila como destaque pela Beija-Flor: 'Estou amando'

No desfile, a escola de samba fez uma forte crítica social, principalmente contra a corrupção e as diferenças sociais. Mas Beija-Flor, Mocidade e Portela estão no páreo, ainda que menos cotadas. A escola vai contar a história de judeus que saíram da Europa durante o período da Inquisição, vieram para o Brasil e também contribuíram com a fundação de Nova York, após serem expulsos do nordeste brasileiro por holandeses.

A escola lembrou o romance da autora inglesa Mary Shelley e fez um paralelo entre os motivos que levaram à criação do monstro pelo Dr. Frankenstein e as origens dos problemas no País: ambição e ganância. Pabllo Vittar e Jojo Todynho foram destaques em um dos carros, no qual o tema principal era a intolerância. A paixão dos componentes e integrantes pela azul e branca de Madureira não contagiou as arquibancadas.

A Unidos da Tijuca homenageou o ator, diretor e escritor Miguel Falabella, com o enredo "Um coração urbano: Miguel, o arcanjo das artes, saúda o povo e pede passagem".

Se a política sobrou na avenida, faltou nos camarotes.

Entretanto, os políticos cariocas foram lembrados no desfile da Beija-Flor.

Havia ainda uma mesa representando um grande banquete, tendo homens com guardanapos na cabeça em volta, fazendo uma alusão às famosas fotos da "farra dos guardanapos", na qual o ex-governador Sérgio Cabral reuniu empresários e secretários num jantar de luxo, em Paris. A maior parte delas com mal-estar provocado pelo calor.

A noite do segundo desfile foi mais fresca em comparação à primeira, que teve mais de 500 pessoas atendidas.