Menino chinês chega na escola com cabelo, roupas e mãos congeladas

Menino chinês chega na escola com cabelo, roupas e mãos congeladas

As fotos de um menino chinês que enfrentou uma temperatura glacial para ir à escola está viralizando na internet. As imagens tornaram-se virais mas sobretudo reacenderam o debate sobre as condições de vida das crianças mais pobres da China, que são muitas vezes deixadas sozinhas pelos pais que partem em busca de trabalho nas cidades.

Wang Fuman, um menino de oito anos que caminha todos dias durante uma hora e meia para ir para à escola sob temperaturas até nove graus negativos, despertou a atenção internacional e revolta nas redes sociais.

"A jornada para a escola é fria, mas não é difícil!", disse ao jornal "The Paper", baseado em Xangai. O professor tirou fotografias e enviou para o diretor da escola e para outros colegas, que as publicaram nas redes sociais. Assim como o garoto, outras crianças vivenciam a a situação diariamente no vilarejo.

No dia 8 de janeiro, quando uma professora chinesa percebeu que seu aluno tinha chegado quase "congelado" para assistir à aula, não pensou duas vezes em registrar o momento, para fazer um alerta sobre como muitos chineses ainda sofrem com a pobreza.

Enquanto os usuários da web louvam o menino por sua determinação, eles também questionaram por que o governo não está fazendo mais para ajudar as crianças (os pais das áreas rurais do país deixam seus filhos quando se mudam para as áreas urbanas para buscar o trabalho.no cuidado de parentes). Com a intenção de estabeler uma "sociedade moderadamente próspera", Xi prometeu erradicar a pobreza rural até 2020. A "Beijing News" anunciou em sua conta Weibo que, desde quarta-feira, internautas doaram 100 mil yuans (R$ 49,7 mil) para a escola de Wang e outra escola na área.