Advogado nega suborno de estrela porno para esconder encontro com Trump

Advogado nega suborno de estrela porno para esconder encontro com Trump

De acordo com o The Wall Street Journal, que cita fontes próximas do processo, o acordo de confidencialidade terá sido negociado entre Michael Cohen - advogado que passou quase uma década nos serviços jurídicos da Trump Organization - e o representante da mulher, chamada Stephanie Clifford. Clifford alegou que a ligação com Trump aconteceu em julho de 2006, quando o casal esteve junto em torneio de golfe, com outras celebridades, em Lake Tahoe. Ainda segundo o Wall Street Journal, o encontro sexual foi consensual. "O presidente Trump nega novamente, com veemência, que isso tenha ocorrido, assim como a senhorita Daniels", diz o comunicado.

"Estas são informações antigas e que já foram divulgadas e negadas antes das eleições", disse um funcionário da Casa Branca, em declarações para o jornal.

"O presidente Trump mais uma vez negou veementemente qualquer ocorrência, [assim] como a Sra". "Esta é a segunda vez em que fazem acusações extravagantes contra meu cliente. Vocês vêm tentando perpetuar essa falsa narrativa há um ano; uma narrativa que tem sido negada constantemente desde pelo menos 2011 por todas as partes envolvidas".

Clifford terá estado em negociações com vários meios de comunicação social para revelar este caso, mas a intervenção do advogado de Trump terá silenciado a atriz de filme pornográficos a troco de mais de mais de 100 mil euros. E vinca: "Os rumores de que recebi de Donald Trump dinheiro pelo meu silêncio são completamente falsos".

O pacto, segundo o jornal, foi assinado pelo advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, e obriga a atriz a não comentar em público sua relação com Trump.

A própria Daniels não respondeu as alegações quando contactada pelo WSJ. Na ocasião, ela teria tido um breve affair com o empresário, que já era casado com Melania Trump.

Segundo o WSJ, Cohen fez o pagamento ao advogado de Clifford, Keith Davidson. Notícias que a história era "besteira" e se recusou a comentar além disso. O veículo pertence à News Corp, a mesma organização que controla o New York Post e Fox News, este último claramente de inclinação pró-governista.