Linhas fixas: base encolhe 107,5 mil linhas em outubro

Linhas fixas: base encolhe 107,5 mil linhas em outubro

A empresa que apresentou maior queda foi a Vivo com menos 7,4 mil linhas. No total, existem quase 41 milhões de linhas em operação no país. Esse total se deveu a um aumento de 12.514 linhas das autorizadas e redução de 120.016 linhas das concessionárias, causando uma redução de 107.502 linhas, na comparação com setembro.

Nos últimos 12 meses, no grupo das empresas autorizadas, a maior queda foi no Rio de Janeiro, com menos 76.681 linhas fixas, e o maior crescimento em Minas Gerais, com 51.242 novas linhas fixas.

As linhas 4G apresentaram crescimento de 3.901.301 unidades (+ 4,27%), seguidas das utilizadas em aplicações máquina-máquina com mais 317.299 linhas (+ 2,19%) em outubro quando comparado a setembro de 2017.

Os números da Anatel, mostram que a redução no número de linhas, nos últimos 12 meses, foi mais acentuada para as concessionárias que registraram menos 1.144.657 linhas.

Em todo o Brasil, foram registradas mais de 240,8 milhões de linhas de celular em operação no último mês de outubro. Apresentaram quedas as prestadoras Oi, com perda de 836.325 linhas, a Telefônica (Vivo) com menos 326.967 linhas e a Sercomtel com menos 1.574 linhas. O estado com a maior queda foi o Rio de Janeiro, com a perda de 4.060 linhas.

Nos últimos 12 meses, as linhas 4G apresentaram crescimento de 42.739.132 unidades (+ 81,23%) e as utilizadas em aplicações máquina-máquina tiveram adição de 2.480.530 linhas (+ 20,12%). Entre as concessionárias, o Amapá teve o maior crescimento, registrando 44 novas linhas e São Paulo teve a maior queda, perdendo 32.192 linhas em outubro. Em 12 meses, o pré-pago registrou diminuição de 15.063.960 linhas (-8,85%) e o pós-pago aumento de 8.460.992 (+10,94%).

Já entre as concessionárias em todos os estados houve cancelamento de linhas em relação ao ano passado.