Inflação para os mais pobres cai em novembro

Inflação para os mais pobres cai em novembro

Em outubro, a taxa foi de -0,03%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo combustíveis para o consumo, cuja taxa passou de 1,06% para 10,02%. O índice de difusão, que mede a proporção de itens com aumentos de preços, foi de 50,30% em novembro, 7,10 pontos porcentuais abaixo do resultado de 57,40% registrado em outubro. Os destaques foram: minério de ferro (-12,35% para -3,75%), leite in natura (-7,49% para -1,10%) e mandioca (1,49% para 6,37%).

Apesar de uma nova queda nos preços dos alimentos, os aumentos na conta de luz e nos combustíveis pesaram mais na inflação ao consumidor registrada pelo Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) em novembro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (7). A taxa do indicador nos últimos 12 meses ficou em 3,35%, nível acima do registrado pelo IPC-C1, conforme ilustra a tabela a seguir. Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item gasolina, cuja taxa passou de -0,18% para 3,17%.

A queda do IPC-C1 reflete a retração de preços em cinco das oito classes de despesa componentes do índice: alimentação, cujos preços caíram de 0,31% para uma deflação (inflação negativa) de 0,47%; habitação (de 1,06% para 0,92%); comunicação; (de 0,6% para -0,42%); vestuário (0,07% para -0,17%); e despesas diversas (0,49% para 0,13%).

Em contrapartida, os grupos: Transportes (-0,20% para 0,58%), Educação, Leitura e Recreação (-0,08% para 0,53%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,21% para 0,23%) apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: passagem aérea (-6,88% para 3,88%) e tarifa de eletricidade residencial (3,37% para 3,98%), respectivamente.

O núcleo do IPC registrou taxa de 0,23%, ante 0,24%, apurada no mês anterior.

O índice para Matérias-Primas Brutas variou de -1,92% em outubro, para 0,52%, em novembro.

A FGV mostrou ainda que a inflação medida pelo IPC-C1 fechou o mês de novembro abaixo da taxa relativa ao IPC-Br, abrangente a variação da inflação junto às famílias com rendimento de até 33 salários mínimos. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou taxa de 0,63%, contra 0,67% do mês anterior; enquanto o índice para o custo da Mão de Obra passou de 0,01% em outubro para 0,05% em novembro.