Tarifa branca de energia entra em vigor em janeiro

Tarifa branca de energia entra em vigor em janeiro

Segundo a Associação Brasileira de Distribuidora de Energia Elétrica (Abradee), quem deseja aderir ao programa deve estar atento. Segundo ele, a mudança não se trata de uma decisão simples. Quem optar pela tarifa branca, comparando com a tarifa convencional, no horário fora de ponta, pode ter uma conta 16% mais barata.

A migração para a tarifa branca é opcional ao consumidor: a partir do ano que vem, todo o novo consumidor já terá a opção de ser cobrado pela tarifa branca; para os consumidores já conectados à rede, a opção de aderir à tarifa branca será disponibilizada aos poucos.

A modalidade permite que os consumidores paguem tarifas diferenciadas de acordo com a hora do dia. No primeiro momento, poderão aderir à tarifa branca cerca de 4 milhões de unidades consumidoras, o que representa cerca de 5% de tais unidades, estimou Leite. Em média, o consumo das famílias brasileiras é de 160 kWh por mês.

O mecanismo também estabelece horários com custos intermediários: uma hora antes do início do horário de pico, entre 18h e 19h, e depois, entre 21h e 22h.

Inicialmente, a medida atingirá uma pequena parcela dos consumidores brasileiros. A tarifa branca não é recomendada se o consumo for maior nos períodos de ponta e intermediário e se não houver possibilidade de transferência do uso dessa energia elétrica para o período fora de ponta. A partir de 2020, a modalidade estará aberta a todas as unidades consumidoras, com exceção daquelas de baixa renda, já beneficiadas pela tarifa social. Após a análise do pedido, a empresa tem 30 dias para realizar a troca do medidor de energia, no caso de unidades consumidoras já existentes, ou os prazos e procedimentos padrão para novas solicitações de atendimento.