Número de nascimentos no Brasil cai pela primeira vez desde 2010

Número de nascimentos no Brasil cai pela primeira vez desde 2010

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta terça-feira os números do registro civil de 2016.

No ano passado, 2.793.935 nascimentos foram registrados no Brasil, uma redução de 5,1% na comparação com 2015, quando foram contabilizados 2.945.344 nascimentos. Já a maior queda ocorreu em Pernambuco, com 10% a menos de nascimentos nesse mesmo período.

A região com maior queda nos nascimentos em 2016 foi o Centro-Oeste (-5,6%) e o Sul, com menor queda, de 3,8%.

A alta na quantidade de uniões acontece pelo segundo ano consecutivo, porque em 2015 o aumento chegou a 10%. Foram 1.090.181 casamentos, sendo a maior concentração no Sudeste, que teve 536.093 uniões, e a menor no Norte, com 81.498. Foi a primeira queda desse número desde 2010.

No país inteiro em 2016 houve redução nos matrimônios em relação a 2015, com queda de 3,69%.

Pesquisadores do IBGE explicam que, além da propensão mundial de se engravidar com mais idade, outro fator que pode ter influenciado a queda no número de nascimentos em 2016 foi o surto de zika, que teria adiado os planos de gravidez para muitas mulheres.

"Além da tendência crescente de ter filhos mais tarde, várias famílias podem ter se assustado com a epidemia de zika que afetou o país entre 2015 e 2016, que foi associada ao nascimento de bebês com microcefalia", afirmou Cristiane Moutinho, pesquisadora do instituto. Esse é o maior número desde 2003, início da série histórica da pesquisa. "Uma analise que pode ser feita é em relação a questão econômica".

O levantamento do IBGE também traz dados sobre matrimônio no Brasil, indicando que, em 2016, houve uma queda de 3,7% no número de casamentos em comparação com 2015. O levantamento mostra que no ano passado também houve queda no número de casamentos, ao passo que o de divórcios aumentou.

A redução foi observada tanto nos casamentos entre cônjuges de sexos diferentes quanto entre cônjuges do mesmo sexo, com exceção das regiões Sudeste e Centro-Oeste que apresentaram aumento nos casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo, de 1,6% (de 3.077 para 3.125 casamentos) e 7,7% (de 403 para 434 casamentos), respectivamente. No grupo de homens de 15 a 24 anos, alguns estados diminuiram a quantidade de mortes por causas externas, como São Paulo, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rondônia, Distrito Federal, Rio de janeiro, Santa Catarina, Pernambuco e Minas gerais.

Em média, o homem se divorcia mais velho que a mulher, com 43 anos dele contra 40 dela. Por outro lado, houve aumento em estados como a Bahia, Sergipe e Piauí. No Norte elas são mais jovens, com idades entre 20 e 24 anos.

Em 1976, 27,8% das mortes ocorreram entre bebês menores de um ano, enquanto 34,7%, entre crianças com menos de cinco anos.