Corrupção no futebol / julgamento: Marin joga nas costas de Del Nero

Corrupção no futebol / julgamento: Marin joga nas costas de Del Nero

A defesa de José Maria Marin, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol preso nos Estados Unidos suspeito de participar de esquema de corrupção na Fifa, tenta afirmar que o ex-dirigente ocupava o cargo de maneira apenas ilustrativa. Todos esperavam que Marco Polo Del Nero fosse o presidente após a saída de Ricardo Teixeira, mas ele ainda não pôde assumir em 2012. Del Nero está no Brasil, país que não extradita seus cidadãos.

Tanto Marin quanto Del Nero são acusados de receberem propinas em prol de empresas de marketing. Então, embora Marin tivesse o papel de presidente, ele não estava no Comitê Executivo da Fifa. Mas não é o futebol mundial que está sendo julgado aqui. Era ele a "grande figura" do futebol brasileiro, segundo o advogado do cartola em prisão domiciliar. "Essa posição era ocupada por Del Nero", disse Spillman.

- Marin sempre estava com Del Nero. Marin estava fora, estava à margem. Peço que vocês realmente tenham isso em mente: Marin era só um interino. "Os acusados trapacearam o esporte para encher seus bolsos com dinheiro que deveria ter sido gasto para beneficiar o jogo, não a si mesmos", pontuou.

Os advogados dos outros dois réus - o peruano Manuel Burga e o paraguaio Juan Angel Napout - também fizeram explanações nas quais reafirmaram a inocência de sues clientes e críticas aos delatores que serão chamados para depor. Em quatro dias, a juíza Pamela Chen, que preside o processo, e as duas partes escolheram os 12 membros do júri e seis suplentes que decidirão seu destino.