Bruce Arena demite-se do cargo de selecionador dos Estados Unidos

Bruce Arena demite-se do cargo de selecionador dos Estados Unidos

Bruce Arena pediu esta sexta-feira a demissão do comando técnico da seleção norte-americana, depois da derrota com Trinidad e Tobago que afastou os Estados Unidos do Mundial de 2018, na Rússia. Foi a segunda passagem do técnico, que já havia ficado no cargo entre 1998 e 2006.

"Treinar a própria selecção nacional é o maior privilégio que qualquer treinador pode ter e, no dia em que abandono essas funções, sinto-me honrado e grato por ter tido essa oportunidade duas vezes na minha carreira", observou Arena, de 66 anos, em comunicado. Todo mundo envolvido deu tudo de si nos último meses e, no final, acabamos não tendo sucesso. Nós não conseguimos entregar o trabalho, e eu aceito a responsabilidade.

O treinador foi contratado no fim do ano passado, depois de um desempenho ruim do seu antecessor, o alemão Jurgen Klismann, que foi demitido. Arena sai, mas acredita que os Estados Unidos vão voltar aos grandes palcos, rapidamente. "Não há desculpas, não fizemos o trabalho e eu tenho a responsabilidade", explicou o treinador sobre a não classificação à Copa.

Com o fiasco, somado às vitórias de Panamá e Honduras, a seleção norte-americana ficará fora do Mundial pela primeira vez desde 1986. Eu não sei o que o futuro me reserva, mas posso dizer do fundo do meu coração: "do ponto mais alto nas quartas de final da Copa do Mundo de 2002 até o mais baixo que aconteceu dias atrás, eu agradeço todos os minutos que fui parte desse projeto", completou.

O mundo futebolístico teve uma surpresa na quinta-feira quando os EUA, que precisavam de uma vitória ou de um empate fora de casa ao enfrentar Trinidad e Tobago, os lanternas do grupo, para obter uma das três vagas automáticas da Concacaf, sofreram uma derrota humilhante de 2 x 1.