Mercado financeiro eleva estimativa para inflação pela 5ª vez seguida

Mercado financeiro eleva estimativa para inflação pela 5ª vez seguida

Do lado do câmbio, as expectativas apontam para um dólar um pouco mais baixo do que anteriormente se esperou: de R$ 3,30 para R$ 3,20 neste ano e de R$ 3,45 para R$ 3,40 em 2018.

A projeção divulgada nesta segunda-feira (21) pelo Banco Central para o resultado da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações) em 2017 passou de US$ 61 bilhões para US$ 61,9 bilhões de resultado positivo.

A mudança na previsão de inflação deste ano teve início depois que o governo elevou a tributação de PIS/Cofins sobre combustíveis para tentar aumentar a arrecadação e alcançar a meta fiscal de 2017. Já para 2018, a taxa ficou em 4,20%.

As estimativas sobre a inflação para os 2 anos permanecem abaixo do centro da meta de 4,50%, que deve ser perseguida pelo BC. O índice segue abaixo da meta central (que também é de 4,5%) e do teto de 6% fixado para o período.

O Top-5, grupo que mais acerta as previsões, também vê corte de 1 ponto percentual na próxima reunião, mas mantém a expectativa de Selic a 7,25 por cento ao final tanto de 2017 quanto de 2018.

A estimativa do mercado financeiro para o crescimento da economia foi mantida em 0,34% este ano e em 2%, em 2018.

No Focus desta segunda, a Selic média de 2017 seguiu em 9,91% ao ano. Há um mês, ela estava em R$ 3,30.

A projeção para o Investimento Estrangeiro Direto (IED) de 2017 (caracterizado pelo interesse duradouro do investimento na economia) ficou em US$ 75 bilhões. Já para 2018, a previsão do déficit foi reajustada de US$ 33,18 bilhões para US$ 33,19 bilhões.

A previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2017, permaneceu em US$ 75 bilhões.