Pedrógão Grande: 157 feridos e 64 mortos

Pedrógão Grande: 157 feridos e 64 mortos

Esta tarde, a agência Lusa, citando fonte da Autoridade Nacional de Proteção Civil, e diversos órgãos de informação (entre os quais o ZAP) tinham avançado a notícia de que um avião Canadair se tinha despenhado em Pedrógão Grande durante as operações de combate às chamas.

Segundo moradores da zona, citados pela Lusa, "vários aviões descarregaram cargas de água na zona para tentar chegar ao local onde caiu o avião Canadair de combate aos incêndios", que operava no fogo de Pedrógão Grande. Segundo a agência noticiosa, que citava fonte da ANPC, não é nenhum dos Canadair contratados por Portugal. O comandante Vaz Pinto esclareceu em conferência de imprensa que as 13 aeronaves a operar continuam a voar mas que existe uma operação de busca para se apurar se existiu algum acidente com outro avião.

O incêndio em Pedrógão Grande foi dado como dominado, esta quarta-feira à tarde.

O comandante operacional da Proteção Civil, Vitor Vaz Pinto, disse hoje que o incêndio de Góis "é preocupante", uma vez que está a lavrar com grande intensidade, informação corroborada pela ministra da Administração Interna.

Mais cedo, questionado sobre o barulho de explosão relatado por testemunhas e repórteres que acompanham a tragédia, o comandante da Defesa Civil informou que o barulho pode ter sido de botijões de gás explodindo ou até de postes de alta tensão caindo.

As pessoas das localidades de Louriceira, Picha e Ouzenda foram retiradas pelas autoridades, porque o fumo negro que é visível na zona indicia que estão a poucos metros as chamas dos incêndios que desde sábado alastram na região e que mataram pelo menos 64 mortos no distrito de Leiria.