Goiás registra criação de 7,4 mil novas vagas de emprego em maio

Goiás registra criação de 7,4 mil novas vagas de emprego em maio

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o saldo foi positivo, com 503 contratações a mais do que demissões.

Desempenho regional - A região que mais gerou empregos em maio foi o Sudeste, com a criação de 38.691 postos de trabalho formal. O saldo é resultado de 1.242.433 admissões e 1.208.180 desligamentos no mês. De janeiro a maio de 2016, ainda na gestão de Dilma, foram fechadas 448 mil vagas. Em 12 meses, porém, há um fechamento de 853.665 vagas.

A queda registrada no mês de maio foi ocasionada principalmente pela Construção Civil que foi o setor que mais fechou vagas, com 268 postos, seguido pelos serviços, com uma variação negativa de 149 empregos. Segundo o ministério do Trabalho, trabalharam a favor do resultado as culturas do café, laranja e cana de açúcar. Todos os setores demitiram mais que contrataram - extrativista mineral, construção civil, serviços industriais de utilidade pública, serviços, comércio e administração pública.

O resultado ficou dentro das estimativas de analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast (da Agência Estado), que esperavam desde fechamento de 5 mil vagas a abertura de 49 mil postos, com mediana positiva em 19.187. Já na Região Metropolitana de Belo Horizonte foram 48.919 admissões e 47.932 demissões, com saldo de 987 postos de trabalho com carteira assinada. Ele destacou que, pelo segundo mês consecutivo e pela terceira vez este ano, o país tem números positivos na abertura de vagas. Em contrapartida, houve retração nas regiões Norte (com mais de mil postos a menos) e Sul (menos 10,5 mil vagas).

De acordo com o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, o resultado reflete o esforço do governo e a recuperação pela qual o Brasil passa após crises econômica e política. "Os números do mercado de trabalho do Espírito Santo mostram que as medidas do governo federal estão recolocando o país nos trilhos do desenvolvimento, com a geração de empregos em diversos setores", afirma o ministro.

A indústria de transformação também teve resultado positivo no período, com 110 empregos formais. "Gostaria, mas não posso garantir", admitiu o ministro. Em abril, o saldo positivo tinha sido de 14.648 vagas. Em maio, quatro dos oito principais setores da economia geraram vagas.